quarta-feira, 10 de julho de 2013

2ª Grande Vaquejada de Pedra Preta



Festa em Pedra Preta





Faern e outras entidades conseguem R$2,3 milhões para fomentar atividades no setor rural
 
Nesta segunda-feira (08), em Brasília, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Norte (Faern), José Álvares Vieira, esteve reunido com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Antônio Andrade, para formalizar o acordo que beneficiará a atividade rural no estado.
 
No encontro, o ministro confirmou a liberação de R$ 2,3 milhões para entidades privadas que desenvolvem ações ligadas ao associativismo e cooperativismo. Desse montante, R$ 1,26 milhão foi para a região do semiárido brasileiro.
 
Sete instituições, entre elas a Faern, foram beneficiadas pelo Ministério da Agricultura com o ato. “O objetivo é estimular e ampliar o conhecimento de nossos produtores rurais. Com isso, eles saberão da importância do cooperativismo e associativismo, principalmente nas regiões de maior vulnerabilidade social e econômica, como é o caso do semiárido potiguar”, afirmou o presidente da Federação da Agricultura do RN, José Vieira.



Geração de empregos

 
Para o ministro Antônio Andrade, o cooperativismo é um dos segmentos mais importantes no País para a geração de emprego e renda. “Precisamos criar atrativos para o pequeno produtor se fixar no meio rural. Nós atingimos, este ano, um recorde de US$ 100 bilhões na balança comercial. As cooperativas possuem um papel fundamental nestes números devido a sua força multiplicadora”, salientou Andrade.
 
As chamadas públicas foram feitas em 2012 pelo Departamento de Cooperativismo e Associativismo Rural da Secretaria de Desenvolvimento e Cooperativismo do Mapa (Denacoop/SDC/Mapa) para apresentação dos projetos de estímulo e promoção ao cooperativismo.
 
De acordo com o presidente da Faern, as entidades selecionadas irão utilizar os recursos para organizar o sistema cooperativo, capacitar jovens produtores e criar novas cooperativas. “A nossa luta será desenvolver políticas públicas que incentivem o produtor rural a se associar. O trabalho cooperativo diminui os custos da produção e eleva a renda final”, ressaltou Vieira.
 
Dentre as instituições que participaram do encontro nessa segunda-feira, estão a Federação da Agricultura do RN, a União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária (Unicafes), a União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária do Estado de Pernambuco (Unicafes/PE), a Associação Regional das Casas Familiares Rurais do Sul do Brasil (Arcafar Sul), a União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária do Estado do Paraná (Unicafes/PR), a Fundação de Proteção ao Meio Ambiente e Ecoturismo do Estado do Piauí (Funpapi), e o Núcleo de Desenvolvimento Social (NDS/RN).