sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Imprensa nacional repercute reunião de Frente liderada por Rogério Marinho com ministros

Os principais veículos de comunicação do país destacaram a reunião da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviços e Empreendedorismo (CSE) com os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Henrique Meirelles (Fazenda). O encontro ocorreu na quarta-feira (10), em um restaurante de Brasília e foi comandado pelo deputado federal Rogério Marinho (PSDB), presidente da Frente CSE. Também estiveram presentes dezenas de parlamentares e representantes de entidades empresariais.

A revista Istoé publicou em seu portal que Meirelles afirmou, durante o encontro com os parlamentares, “que a crise brasileira foi gerada internamente, ao contrário das crises financeiras internacionais de 2008 e da crise da década de 30, com a quebra da bolsa de Nova Iorque. Para o ministro, no entanto, foi crucial fazer um diagnóstico correto, porque a confiança dos empresários e dos consumidores “caía sistematicamente até cerca de dois meses atrás”.

Segundo a Folha de SP, os ministros Padilha e Meirelles celebraram a aprovação por parte da câmara do projeto de renegociação da dívida dos Estados. "Para Meirelles, não houve perda de força da equipe econômica", disse o jornal. O Estadão e O Globo publicaram notícias semelhantes.

“Pela lei, se descumprido o teto, os estados perdem as prerrogativas previstas na renegociação de dívidas com o governo federal, tendo de voltar a pagá-las nos termos originais, mais onerosos. Segundo Meirelles, o governo não vai tentar alterar o texto no Congresso, uma vez que a situação está “bem equacionada” com a aprovação do teto”, informou O Globo.

“Em discurso num almoço com a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviços e Empreendedorismo, Padilha disse que além de formar um ‘dream team’ na área econômica, Temer montou um ‘ministério de notáveis’ que garante os votos no Congresso para o governo aprovar as medidas propostas”, acrescentou a agência internacional de notícias Reuters.