.

.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

“Vou cumprir a minha palavra”, afirma Robinson Faria sobre segurança


Presente no evento que celebrou os 183 anos da Polícia Militar do Rio Grande do Norte na última segunda-feira, 10, o governador Robinson Faria (PSD) reafirmou que pretende deixar um legado na segurança pública potiguar. Em um discurso que durou aproximadamente vinte minutos, o chefe do Executivo estadual foi categórico ao dizer que já vem cumprindo parte da promessa que fez ao longo da sua campanha em 2014 e destacou os investimentos realizados na área, na qual o Governo já destinou, segundo ele, 14,7% do orçamento geral.
“Meu governo tomou medidas nunca vistas antes na história deste estado, como o investimento em tecnologia, equipamentos, armas e munições para a segurança pública do RN. O maior investimento percentual que um governador do RN já fez até hoje neste setor foi o meu. Investi 14,7% do orçamento do Estado, enquanto os outros governos nunca passaram de 5, 6, 7%. Vou cumprir a minha palavra com o povo do Rio Grande do Norte, que assim como todo mundo espera por dias melhores e mais seguros no nosso Estado”, garantiu Robinson.

De acordo com o governador, como parte do ‘pagamento da promessa” que fez aos eleitores e aos trabalhadores da área da PM-RN há três anos, ele estará encaminhando para a Assembleia Legislativa a Lei de Organização Básica (LOB) da Polícia Militar, um pedido antigo da categoria e que finalmente será atendido pelo Governo do Rio Grande do Norte. Além disso, prometeu a realização de concurso público com 3 mil novas vagas para o quadro da corporação militar.
“Eu já cumpri boa parte da minha palavra e estou lutando para cumprir o resto. Muito em breve estarei encaminhando para a Assembleia Legislativa a Lei de Organização Básica (LOB), que é algo bastante esperado pela Polícia Militar do Rio Grande do Norte. Vou também fazer um concurso com 3 mil vagas para aumentar o efetivo da corporação, que atualmente está em baixa”, declarou o governador.
Ultimamente, a gestão de Robinson vem sendo muito questionada no quesito segurança pública devido ao alto número de homicídios registrados no Estado. Em 2017, até a última segunda-feira 10, nada menos do que 1.259 pessoas haviam sido assassinadas em território potiguar. O número é 22,6% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado. Recentemente, em entrevista ao Agora Jornal, o governador garantiu que deixará um legado positivo no setor de segurança do Estado.
Para “justificar” os altos números identificados, Robinson disse que o problema da segurança pública, atualmente, não é exclusivo do RN. Segundo ele, o Brasil inteirou passa por um momento de instabilidade em seu setor de segurança e isso é refletido no Rio Grande do Norte, principalmente pelo fortalecimento das facções criminosas que se instalaram aqui vindas de outros estados, como é o caso do Primeiro Comando da Capital (PCC), originária de São Paulo.
“O Brasil hoje vive uma guerra. A sociedade acha que a segurança pública é um problema apenas do Rio Grande do Norte, mas é de todo país. As facções criminosas estão cada vez mais ricas, bem armadas e fortalecidas. Cabe ao estado não recuar. Nós vamos reagir a todo esse cenário de diversas formas, atendendo aos apelos da Polícia Militar e da Polícia Civil, e creio que conseguiremos vencer a guerra contra as facções”, finalizou Robinson.


Fonte: O Natalense







Nenhum comentário:

Postar um comentário