terça-feira, 29 de outubro de 2019

Prefeitura assina nesta terça contrato para reforma do ginásio Nélio Dias



Principal ginásio poliesportivo de Natal está interditado desde 2015 pelo Corpo de Bombeiros por inconformidades no sistema de combate a incêndio
Interditado desde meados de 2015 pelo Corpo de Bombeiros Militar (CBM) do Rio Grande do Norte, o ginásio poliesportivo Nélio Dias, situado na zona Norte de Natal, finalmente vai passar por reparos estruturais que lhe permitirão voltar a abrir as portas para os principais eventos esportivos da cidade. Nesta terça-feira, 29, a empresa que venceu a licitação da obra vai assinar o contrato com a Prefeitura e iniciará de imediato os serviços na praça.
Orçada em pouco mais de R$ 1,8 milhão, a restauração do Nélio Dias deve durar cerca de oito meses, e o principal foco da MMC Construções e Empreendimentos LTDA será corrigir o sistema de combate a incêndio do local, considerado o grande entrave para seu funcionamento. Feito isso, a Prefeitura já deverá liberar o ginásio para pequenas atividades, o que possivelmente vai ocorrer em no máximo três meses após o início das obras.
“Na quinta-feira da semana passada nós nos reunimos com representantes da empresa para alinhar os detalhes. Eles foram até o ginásio, conheceram a estrutura e nós passamos todas as demandas que serão necessárias neste processo. Hoje (terça-feira, 29), vamos recebê-los novamente, desta vez para assinar o contrato, e também para dar início as obras no local”, detalhou a titular da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer de Natal (SEL), Danielle Mafra.
Segundo a secretária, do montante que será utilizado para pagamento da obra, cerca de R$ 1,3 milhão será direcionado especificamente para a instalação do novo sistema de combate a incêndio. Desde que o ginásio foi interditado, a legislação de prevenção a incêndios já mudou duas vezes (uma em 2015 e outra em 2018), mas o serviço atual será feito com base na nova lei, tendo o projeto passado por aprovação do Corpo de Bombeiros.
“Foram muitas idas e vindas até que se chegasse neste modelo. Encaminhamos o projeto oito vezes para o Corpo de Bombeiros, que realizou todas as mudanças necessárias e nos devolveu pronto. Vamos realizar a obra em conformidade com todas as exigências legais para que não tenhamos problemas no futuro. O Nélio Dias é um ginásio importante para a cidade e precisa estar a disposição do nosso esporte”, completou Danielle.
Além do sistema de combate a incêndio, reparos adicionais serão realizados na principal praça esportiva da capital, como a troca de portas e a recuperação de grades protetoras. O piso do ginásio, apesar de parecer bastante danificado, sofrerá apenas algumas pequenas intervenções de recuperação, vez que, segundo a secretária, ainda “é considerado o melhor existente em toda a cidade”.
Em sua curta história (foi inaugurado em 2006), o ginásio Nélio Dias já abrigou grandes eventos em Natal. O principal deles foi uma edição especial do UFC, maior evento de MMA do mundo, que trouxe para a capital um embate entre o brasileiro Maurício Shogun e o norte-americano Dan Henderson. Além disso, a praça recebeu jogos importantes da seleção brasileira de vôlei, bem como duelos de basquete de grandes clubes nacionais.
BUROCRACIA
A obra de recuperação do ginásio poliesportivo Nélio Dias passou por diversos percalços até que se chegasse no estágio atual. Titular da pasta de esportes de Natal desde 2017, Danielle Mafra admitiu que o processo de revitalização da praça poderia ter sido iniciado antes, mas apontou a burocracia no Governo Federal como um grande dificultador para que o projeto saísse do papel e fosse licitado.

Inicialmente, a ideia era fazer a obra com recursos federais. No ano passado, a secretária foi até Brasília em várias oportunidades ao lado do prefeito Álvaro Dias pleitear os valores necessários. Depois de muita insistência, o Ministério do Esporte garantiu a verba, que seria disponibilizada no início deste ano. Porém, a pasta acabou sendo extinta na administração do atual presidente Jair Bolsonaro, voltando toda a negociação ao estágio inicial.
“Esbarramos na extinção do Ministério do Esporte e perdemos o recurso que havia sido conquistado em Brasília. Se quiséssemos continuar tentando fazer com recusos federais, precisaríamos iniciar o processo todo do zero, então acabamos optando por realizar a obra com recursos próprios para que a população não continuasse sendo prejudicada. Felizmente, ela está saindo do papel e vamos conseguir colocar o projeto pra frente”, festejou.

Fonte: Agora RN